Comentários

(97)
Luiz Otávio Rujner Guimarães, Analista de Tecnologia da Informação
Luiz Otávio Rujner Guimarães
Comentário · há 7 meses
Levino, seu texto sobre os tempos de outrora me remeteram a um "déjà vu" da minha infância, sou de 1968. Morava no centro de BH numa casa antiga, cujo muro pouco mais de 1 metro tinha. Nos anos 70, durante "AS NOITES", eu e minhas irmãs brincávamos com outras crianças da rua na área que circunda a Igreja da Boa Viagem, bicicleta, pic-pega, queimada, etc., hoje em dia exito em passar por lá durante o dia. Imagino que as crianças de hoje ainda brinquem, mas o façam dentro de seus feudos, ops, condomínios, que infelizmente foi uma opção minha também, dado a falta de segurança e a violência a que estamos submetidos. Quando íamos ao Rio, tenho parentes por lá, fazíamos passeios noturnos no aterro do Flamengo, passeávamos pela orla, Copacabana, Ipanema, São Conrado e Barra, sem a menor preocupação com assaltos, curtíamos as praias sem o receio dos arrastões. Tínhamos educação pública de melhor qualidade. Lembro-me bem, toda segunda-feira a garotada era reunida no pátio da escola para os hasteamento da bandeira, cantar o Hino Nacional e o Hino à Bandeira, hoje quase esquecido. Era um Brasil mais seguro, com menos drogas e a bandidagem se restringia mais aos guetos, época do milagre econômico, porém, não se podia falar mal do presidente, nem do governo e nem de alguma irregularidade que os detentores do poder tivessem cometido. Longe dos holofotes o pau quebrava, a mão de ferro mandou muitos para "terra dos pés juntos". Sabe-se que muitos eram de fato bandidos, quando um elemento começava a incomodar, a polícia entrava nos morros e mandava bala sem dó nem piedade, hoje me pergunto quantos inocentes se "foram" por engano nas empreitadas desses grupos de extermínio? A censura a tudo encobria. Tempos negros para imprensa. Aqueles que ousavam falar mal do presidente conheceram o porões do DOPS e quantos não voltaram a ver a luz do dia? Tenho saudade da segurança e da tranquilidade que experimentei, mas ainda assim, mesmo tendo minha liberdade de ir e vir cerceada pela criminalidades e o desgoverno, pelo menos me resta o direito de falar mal do presidente. Está uma droga, mas é tão bom poder falar mal do presidente. Longe das tendências e ideologias políticas, o passado deve ficar onde está. Brasil Nunca Mais.
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

ANÚNCIO PATROCINADO

Outros perfis como Luiz

Carregando

Luiz Otávio Rujner Guimarães

Entrar em contato